A guinada na tecnologia


Curiosamente o primeiro computador que usei na vida foi um CP 500 em um colégio. Na época eu brincava com um MS Expert em casa, mas vi a primeira aplicação prática em um CP 500, munido de tela com fósforo verde e drive para disquete de 5 1/4. Depois disso comecei a trabalhar em colégios e passei pelo XT, AT, 386, 486 e entrei nos modernos micro computadores com processadores Pentium de altíssima velocidade.

Em 1994 eu ajudei a montar um laboratório de informática em um colégio, onde era responsável pelo funcionamento da rede e suporte aos professores. O foco era ensinar os alunos o que era hardware, software, usar um mouse, digitar um texto e fazer pesquisas na revista Neo Interativa. Mas o computador não tinha sido criado para isso. Com base em modelos matemáticos, sua criação tinha foco no mundo da administração, facilitando o trabalho de burocratas e homens de negócios. Os educadores que acreditavam que ele poderia ser usado para facilitar o processo de ensino e aprendizagem estavam surfando em uma onda de otimismo, aproveitando o modismo da informatização.

Com a chegada da internet comercial no Brasil, em 1995, a comunicação entre as pessoas começou a mudar em nosso país, seguindo mais uma tendência mundial. Os provedores de acesso a internet surgiram oferecendo acesso e conexão mundial. Lembro de promessas que podíamos ver as obras que estavam no Louvre sem sair de casa, além de ler jornais do mundo inteiro e conversar com pessoas que não conhecíamos presencialmente. O uso do computador deixou de ser estritamente profissional e passou a ser livre.

Educadores idealistas aproveitaram a facilidade de conexão e criaram serviços on-line para que alunos estudassem. Grandes repositórios de conteúdos foram criados, professores passaram a fazer plantão e parecia que a solução estava dada, pelo menos para aqueles que podiam comprar computadores e se conectar na internet.

Até que alguém, de um pobre e populoso país, pensou diferente: e se eu fizer um buraco no muro e colocar um computador com acesso livre? O interessante projeto Hole-in-the-Wall é mundialmente conhecido e não é novidade para quem estuda educação e tecnologia. Seu criador, o professor indiano Sugata Mitra, faz sucesso por onde passa contando suas histórias.

A novidade é que finalmente o Campus Party Brasil, maior reunião de jovens que usam computadores e estão 100% conectados, terá o Sugata Mitra como palestrante em 2012. Essa iniciativa é tão importante quanto o iBooks 2 da Apple e mostra que a educação está, finalmente, na crista da onda da tecnologia.

Finalmente poderemos ver e ouvir sobre educação em um evento feito por e para jovens conectados. Aposto que agora a festa vai começar!

.

Veja aqui os destaques da Campus Party Brasil 2012.

.

Para conhecer mais sobre o projeto Hole-in-the-Wall, veja a bela apresentação do Sugata Mita no TED em 2010:

.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s